sexta-feira, 30 de abril de 2010

Os dias passam devagar...

O tempo é o grande senhor... é ele quem cura as feridas e nutre esperanças. Desde q perdi meu bebezinho, vivo sonhando com o dia em q essa dor será apenas saudade de um serzinho q ficou pouco tempo em meu ventre.
Há dias em q me sinto esperançosa, com vontade de lutar e tentar novamente a maternidade. Porém há dias em q só sinto vontade de chorar. Ontem foi um dia assim. Acordei deprimida, silenciosa... não levou muito tempo para q as lágrimas rolassem sem controle. Meu marido e minha mãe apavorados sem saber o q fazer para me animar novamente. Em meio as tentativas, meu marido acabou me dizendo palavras q me deixaram ainda pior. Me fez sentir culpada e magoada, porque entendi q ele me via como culpada pela perca. Fiquei mal o dia todo...
A tristeza e mágoa foi tamanha q não conseguia falar com ele, olhar pra ele. Em apenas dois meses de casamento, me vi numa situação comum a casais q estão há anos juntos. Isso me doeu demais.

A noite, já sem saber o q fazer, ele me chamou pra conversar e me disse q o entendi errado, q ele não sabe mais o q fazer pra me ajudar, q se sente impotente vendo a esposa dele, a mulher q ele ama, tão triste assim. E eu, em meio as lágrimas novamente, disse q ele não poderia fazer nada, q só o tempo me curaria. Conversamos muuuito tempo e vi q os olhos dele se encheram de lágrimas. Isso me doeu ainda mais.

E aí pensei: será essa a nossa primeira grande prova? Será um teste para sabermos o quanto precisamos um do outro e o quanto nosso amor é grande?
Ainda não sei exatamente a resposta. Só sei q desejo, do fundo de minha alma, q essa tempestade passe, q eu possa ver a luz e q o médico me diga q posso sim ser mãe. Q essa perca foi apenas a mãe natureza fazendo sua 'seleção'. Como desejo isso meu Deus!

Ainda há um clima estranho entre a gente. Chega a incomodar. Mas sei q somos fortes o suficiente para vencer mais essa batalha.

E q Deus esteja sempre conosco!

Um comentário:

  1. Sabe Adriana, isso tudo que você contou sobre chorar sem controle, uma tristeza profunda que parece não ter cura, tudo isso eu vivi, assim do jeitinho que você falou, e como doía ver meu marido choroso, mas Deus é fiel amiga, um ano depois de ter passado por isso, te escrevo com minha benção nos braços. Voces tbem viverão este milagre.

    ResponderExcluir